comportamento empreendedor, Empreendedor, Estratégias, locus de controle, Oportunidade de negócio

Abrir empresa por necessidade ou por oportunidade?


Dando sequência ao artigo da semana passada, vamos analisar o resultado da pesquisa de sobrevivência das empresas realizada pelo Sebrae a partir da pesquisa do GEM – Global Entrepreneurship Monitor.  O GEM é o maior estudo contínuo sobre a dinâmica empreendedora do mundo desde 1999 até o momento.

Esse estudo da ênfase na observação da motivação de iniciar uma atividade empreendedora, resultando a definição de empreender por necessidade ou por oportunidade, que tem o seguinte conceito:

Por necessidade significa abrir uma empresa por falta de melhores alternativa profissional. Falta emprego ou o salário oferecido no mercado não corresponde a sua necessidade de renda. Muitas pessoas buscam abrir uma empresa como uma grande alternativa de sobreviver financeiramente.

Por oportunidade significa, como próprio nome já diz, iniciaram sua empresa por visualizarem uma oportunidade de mercado e geração de melhoria de vida.

Na economia é mais favorável a abertura de empresa por oportunidade, entretanto, não se pode deixar de lado os empreendimentos abertos por necessidade, pela força das circunstâncias, tornem-se empreendimentos de sucesso de contribuam para o fortalecimento da economia.

Um dos fenômenos que também acontece é quando os ambientes onde ocorre um grande volume de investimento, transformando a economia local. A maioria das pessoas que empreenderam por necessidade, começam a migrar, isto é, começam a fechar seus negócios ou o repassam! Diante do simples fato de estarem com um negócio só por falta de emprego!

Outras pessoas, intensificam seus negócios e renovam toda sua forca de venda para atender o mercado que está aquecido e para lidar com novos concorrentes que são atraídos por esse cenário.

Então será que a quantidade de empresas que fecharam em Pernambuco nesses últimos dois anos, desmascararam a motivação de empreender por necessidade?

Anúncios
Estratégias, Gestão de serviços, Gestão empresarial, Oportunidade de negócio, Plano de negócio

Lan house: renove sua forma de fazer negócios!


Alguns tipos de negócios passam por um processo de mudança estratégica com o objetivo de sobreviver e aumentar sua lucratividade.  A lan house está passando por essa fase de transição. Leia mais neste artigo sobre repensar sua visão de negócios.

 

Balance Score Card, Estratégias, Gestão empresarial, Inovação

Como ter foco nas decisões da sua empresa?



Antes de tomar uma decisão, você analisa a repercussão nas diversas áreas da empresa? O método chamado Balance score card vem contribuindo na dinâmica do planejamento estratégico das empresas e o alinhamento das decisões empresariais com o objetivo de não perderem o seu foco.

Quando uma empresa possui definidos visão, missão, valores, princípios e estratégias a curto, médio e longo prazo; ajudará para que cada tomada de decisão seja avaliada a partir dos seguintes aspectos:
•financeiro
•processos internos
•aprendizado e crescimento
•mercado

Esses aspectos transformam-se em dimensões para classificar as estratégias definidas, criar uma sistemática de medicão de resultados.

A partir da visão e das estratégias previamente definidas, deve-se observar:

•As acões irão otimizar e alavancar financeiramente a empresa?

•Os processos operacionais precisam ter melhorias para atingir os resultados almejados?

•A empresa possui um ambiente de aprendizado e crescimento, para que todo corpo funcional possa assumir as devidas atividades e contribuir com visão e estratégias da empresa?

•A situacão atual almejada, quanto à participacão da empresa no mercado e à satisfacão do cliente, estão alinhadas com a visão da empresa?

Essas reflexões precisam ser constantemente feitas para monitorar a conducão da empresa e para não perder o seu foco.

Esse método contribui para sistematizar a gestão de forma sistêmica, deixando a visão míope de só observar os aspectos financeiros da empresa.

(Fonte: Norton e Kaplan)

Estratégias, Marca, Merchandising, Satisfação do cliente

Depois que cliente entra na empresa, o que faço?


Não basta ter uma estratégia eficaz de atrair clientes para sua empresa. Isso ainda não significa vendas!

O ambiente interno da empresa, a equipe de vendas e o mix de projeto e serviço vão ter que fazer seu papel para garantir as vendas.

Cada variável desse tem seu papel de forma individualizada e integrada!

O ambiente interno da empresa é composto dos seguintes aspectos: arrumação e posicionamento dos produtos, pontos de exposição e possibilidades de promover experiências aos clientes, comunicação visual, cores e decoração.

 

A equipe de vendas precisa ser vista a partir da equipe de vendas, compatibilidade de perfil entre funcionários e clientes, apresentação pessoal dos funcionários, abordagem de relacionamento entre funcionários e clientes, clima organizacional.

O mix de produtos e serviços precisa contemplar os itens principais e secundários da proposta que se deseje trabalhar. É claro, correspondendo com o conceito de consumo contemplado na estratégia da empresa. E oferecer serviços que possam gerar atendimentos customizados e conveniência para os clientes.

Ao pensar individualmente cada variável, deve-se depois validar cada proposta de atuação com um olhar integrado para que possa ter sinergia e as vendas fluírem!!!

Estratégias, Gestão empresarial

Sua empresa tem uma estratégia preservável ou suícida?


O famoso guru de competitividade, Porter, definiu estratégia como criar uma posição exclusiva e valiosa, envolvendo diferente conjunto de atividades.

As estratégias genéricas para atingir seus objetivos e vantagem competitiva de um empreendimento são através da  diferenciação, da escala de preço ou por enfoque.

Atuar através da diferenciação é buscar fortalecer positivamente a imagem e a marca da empresa, atender os clientes de forma customizada, gerar conveniência ao acesso aos produtos e serviços  e outras questões que tornem a empresa melhor que as demais. Não significa simplesmente atender com exclusividade somente  a classe A. Você poderá atender de forma diferenciada qualquer classe social ou seu público-alvo, desde que  os conheça bem seus hábitos de consumo, o seu processo de compra e seu estilo de vida.

Já atuar em escala de preço é favorável para mercado em que se possa comercializar um volume alto de produto ou serviço, ter o processo de execução otimizado de produção e atendimento, além de  gerenciar bem os custos.  O grande detalhe, é que muitos empresários só querem atuar com preços baixos sem observar os demais aspectos. Quando isso acontece, o processo é suiicida. Você pode refletir sobre a questão assistindo o vídeo  .

A terceira e última estratégia é a com enfoque, as decisões são misto das duas acima mais com uma definição mais apurada mercadologicamente com atuação em nichos de produtos, perfil de clientes, geograficamente se for um empreendimento 100% presencial ou atuar em tribos ou comunidades em redes sociais.

A melhor estratégia a ser escolhida vai depender do ambiente setorial em que a empresa atua, deve-se analisar a rivalidade entre os concorrentes, o tipo de relacionamento em que a empresa poderá ter com fornecedores e clientes, a possibilidade de surgir novos produtos e serviços do que você atua e a viabilidade de entrar ou sair do mercado sem ter grandes perdas.

Avalie sua estratégia! Uma empresa sem estratégia é uma empresa perdida e sem vida própria. Toda empresa precisa escolher uma estratégia preservável.