Um novo pensar na concepção de negócios e como explorar as oportunidades


Assista o relato de Don Tapscott que vem várias menções  da sociedade que se está se formando e que se vem reconstruindo os interesses e a importância econômica de alguns negócios. A democracia do saber e um mundo sem fronteiras vem exigindo um repensar e o se reinventar de vários tipos de negócios existentes. É um caminho sem volta e não tem barreira econômica ou judicial que consiga segurar.

https://embed-ssl.ted.com/talks/don_tapscott_four_principles_for_the_open_world_1.html

Anúncios

Viabilizar alguns negócios colaborativos


Para alguns tipos de negócios colaborativos precisa se criar uma infra-estrutura de apoio em rede, consolidando uma massa crítica de consumo e transformando a cultura do individualismo para o coletivismo.

Um dos exemplos é o compartilhamento de bicicletas que se faz necessário uma estrutura de ciclovias nas cidades como também pontos de contratação  de coleta e entrega da bicicleta.

Cada localidade possui suas regras de utilização gratuita e pagas. A gestão com tecnologia contribui para reduzir os custos de gestão, como por exemplo, site para apresentação da proposta, mapa dos pontos de entrega e coleta das bicicletas, cadastro on-line, máquinas de auto-atendimento, acesso por via celular; além é claro, o monitoramento para manutenção das bicletas para não perder a qualidade e finalidade maior de locomoção saudável e sem poluição.

A seguir você poderá ver algumas imagens de uma dessas estruturas em Roma. Como se pode ver existe um totem com o mapa e a estrutura de estacionamento  ou coleta para o uso da bicicleta.

Roma – Itália: point para bicicletas

No totem possui o mapa com os detalhes dos pontos mais próximo para utilização do serviço.

Mapa dos point em uma região de Roma

Essa outra imagem você  pode encontrar também em Viena, esse exemplo é  próximo de um dos pontos turísticos e do metro.

Estacionamento de Bike Share

Os turístas não ficam de fora para o comportamento ecologicamente correto. Como por exemplo, um hotel em Praga oferece para os hóspedes a possibilidade de alugar bicicleta para explorar a cidade. Veja a imagem a seguir:

Proposta de aluguel de bicicleta para turista em um hotel

No Brasil já temos bons exemplos já acontecendo no Rio de Janeiro e em São Paulo. Quanto as demais capitais do país, pode-se começar a analisar sua viabilidade a partir da malha cicloviária atual e a previsão de expansão. A parceria sempre será importante para esse tipo de negócio.

A Rio + 20 está acontecendo e que a a população e empreendedores possam se inspirarem para buscar explorar negócios que envolvam o consumo colaborativo.

Fonte: imagens fotografadas por Conceição Moraes

Iniciativas no Brasil de negócios colaborativos


Já se pode observar algumas iniciativas no Brasil empreendimentos com os princípios colaborativos. As interações entre pessoas conhecidas e desconhecidas, vizinhas ou não vem formando um capital social de saber consumir de forma inteligente, sabendo usar mais e ter menos.

Entre os exemplos de sistemas de consumo colaborativo, temos:

Estilo de vida colaborativo:

  • Espaços de coworking
  • Caronas entre pessoas para o trabalho, faculdade e escola
  • Crowdfunding
  • Meios de hospedagem

Sistemas de serviço de produtos

  • compartilhamento de automóveis e bicicletas
  • Filmes
  • Aluguel de roupas

Marcados de redistribuição

  • Trocas de livros

E outras iniciativas que vão surgindo timidamente.

 

Agora, gostaria de provocar os leitores a dar depoimentos ou exemplos desses tipos de negócios que está em fase inicial de crescimento no Brasil, mas gera grande impacto na economia pessoal e no meio ambiente!

 

 

Modelos de negócios para consumo colaborativo.


Como já foi falado no artigo o que é consumo colaborativo?  Existe três propostas de negócios que promovem o consumo colaborativo:

  • Sistemas de serviços de produtos – SSP
  • Estilo de vida colaborativo
  • Mercados de redistribuição

Essas abordagens vem resgastar de forma contemporanea a mentalidade da poupança e reutilização que foi fortemente combatida pós-guerra para que todos adotassem a cultura do hábito do descarte, gastar dinheiro com “coisas novas”, além de acumular coisas em casa ou em depósitos alugados. Coisas ou objetos esses que você só utilizou uma vez ou de vez em quando.

Diante disso surge uma tomada de consciência da forma de consumir e promovendo novos comportamentos e demandas no mercado, como Jeff Boudier da Zilok falou em seu depoimento no youtube: “Com os recursos limitados que temos na Terra, o próximo passo para a conservação é, em vez de apenas comprar coisas, compartilhá-las”.

Seguir segue alguns exemplos dos modelos de negócios:

Estilo de vida colaborativo

É a própria promoção do estilo de vida colaborativo e financeiramente inteligente, elaborando negócios que viabilize a logística e plataformas na web com o objetivo de saber consumir e não se ter simplesmente a propriedade. Atenção – não confundir com caridade ou limitação de renda pessoal.  A seguir alguns negócios já consolidados internacionalmente:

Sistemas de serviços de produtos –SSP

Articulado entre pessoa juridical e pessoa física ou em pares, isto é, entre pessoas físicas, havendo regras e remuneração nas transações.Temos como exemplo:

Mercados de redistribuição

Esse modelo é baseado em troca livre por uma moeda simbólica de valoração ou vendidos simplesmente, permitindo a reutilização dos produtos, tais como:

Todas esses negócios estão revolucionando o mundo e a forma de pensar das pessoas, ao mesmo tempo é um potencial mercado que pertuba setores tradicionais centrados na propriedade exclusiva. Esse empreendimentos terão que rever para uma visão da maximazação do uso, eficiência ambiental e de negócios, além da inclusão da prestação de serviços.

O que é consumo colaborativo?


O consumo colaborativo trás uma oportunidade de negócio com baixo investimento e uma mentalidade de um consumo consciente para si e para quem usufruem desses negócios.

Este artigo dará o início de vários artigos para explorar o máximo sobre a temática.

O consumo colaborativo permite que as pessoas percebam a possibilidade de economizarem seus recursos pessoais, façam novos amigos e se tornem cidadãos ativos. As pessoas que adotam esse tipo de consume promovem um novo comportamento em detrimento do hiperconsumo.

O hiperconsumo promove a persuasão de se consumir muito a partir das situações de se poder comprar agora e pagar depois, da redução do ciclos de vida dos produtos, tornandos-os obsoletos e indesejáveis rapidamente, além de atender transmitir o desejo de consumir promovendo auto-satisfação e inclusão social.

Diante desse contexto muitas pessoas estão buscando dá sentido aos seus bens e propriedades que estão ociosos ou querem otimizá-los, gerando renda.

As propostas de negócios que promovem o consumo colaborativo são:

  • Sistemas de serviços de produtos.
  • Mercados de redistribuição.
  • Estilo de vida colaborativo.

Essa abordagem de negócio vem crescendo e ganhando maturidade, mas só funciona se quem pretende empreender e os potenciais consumidores comungarem dos meus princípios, tais como:

  • Ter senso crítico quanto ao consumo, aspectos socioambientais e econômicos.
  • Ter capacidade ociosa.
  • Acreditar no bem comum.
  • Capacidade de confiar nas pessoas.

No mundo todo tem possoas usufruindo desse resultado e propaganda uma verdadeira rede colaborativa, troca de recursos e renda.

Fonte: Botsman e Robers (2011)