Gestão empresarial, globosfera, Inovação, Mercado, Merchandising, Modelo de negócio, Plano de negócio, redes sociais

Negócio virtual ou presencial? – parte 2


Dando continuidade ao artigo “Negócio virtual ou presencial?”, vamos continuar a análise das diferenças e similaridades de negócios no ambiente digital e negócios presenciais.

Neste artigo, os aspectos serão explanados sobre as formas de pagamento e alguns aspectos de mercado que se referem à  imagem da empresa e interatividade.

Formas de pagamento

Presencial

  • Cartão de crédito e débito, dinheiro, cheque, boleto bancário por via financeiras

Virtual

  • Cartão de crédito e débito, boleto bancário, mediadores de pagamento (paypal, pagueseguro, moip).

Mercado

Os aspectos que tratam sobre a imagem da empresa e interatividade com o cliente podem estar divididos como produtos no ambiente, em vitrine, experiência de ver e tocar o produto e publicidade.

Disposição do Produto no ambiente

Presencial

  • Trabalhar todo o layout de loja nos conceitos de merchandising

Virtual

  • Trabalhar o layout da página com design, explorando os pontos quentes da página
  • Fotografias de alta resolução
  • Textos descritivos do produto  do produto e que aborde alternativas de como consumir e que transmita emoção de consumo

Vitrine

Presencial

  • Importante espaço para atrair clientes. Precisa ser tematizada e gerar significado para o consumidor, além da necessidade de alterações com certa periodicidade.

Virtual

  • Primeira página é crucial para o cliente querer navegar ou abandonar o site, não se pode gerar distração para o cliente. Precisa atrair o cliente, mas, com foco claro. O seu layout poderá influenciar na credibilidade e aceitação do cliente.
  • Precisa mudar os produtos com certa frequência, de acordo com a dinâmica do mercado que você atua e as ofensivas da concorrência.

Experiência de ver e tocar o produto

Presencial

  • O cliente pode tocar e testar o produto, além de ter um vendedor para orientar e tirar as dúvidas. Todos os sentidos sensoriais podem ser explorados.

Virtual

  • Via fotografia e lentes para gerar zoom dos aspectos que o cliente se interesse. As orientações e dúvidas poderão ser tiradas pelo FAQ ou chat online de vendedores.
  • Algumas empresas já estão realizando o recurso de realidade aumentada.

Publicidade

Presencial

  • Ter um cronograma para realizar ações que venham consolidar a marca, estimular a venda de produtos e promover a memorização do cliente. Essas ações poderão ser eventos tematizados, divulgação nas mídias tradicionais (rádio, TV, outdoor, outbus, planfetos, etc) e na internet,  se a empresa tiver um canal de comunicação com os clientes pela web.

Virtual

  • Ter um cronograma para os meios de divulgação online, site de comparação de preço, além de saber inserir tag (palavra-chave) eficazes para gerar tráfego no site. Em alguns casos, realizar divulgação fora da internet.

No próximo artigo e, por último, será sobre os aspectos logísticos e de gestão na área de retaguarda.

Até a próxima semana!

Anúncios
Avaliação de ponto comercial, Comportamento do consumidor, Consultoria, Gestão empresarial

Um olhar de fora…


Foto: Conceição Moraes
Foto: Conceição Moraes

Todo ser humano tende a se acostumar com seu entorno e não mais visualizar e discernir o que é bom e ruim quando envolve pequenos detalhes. Tudo passa ser normal para seu dia a dia.

O grande problema é quando isso acontece em um ambiente empresarial, e principalmente, no varejo – área de vendas.

Então para você tomar uma vacina contra esse mau, se algumas dicas:

– contrate uma consultoria para avaliar seu ambiente de vendas e seu atendimento, abordando as questões de merchandising.

– se no momento, você não está com recurso para tal chame um amigo e peça ajuda para:

  1. Fotografar toda sua empresa nos mínimos detalhes: fachada, rua, espaço de estacionamento, vizinhança, toda área interna, sinalização da empresa, como os produtos estão arrumados, forma que os preços estão identificados, limpeza, visual de quem está no atendimento, etc.
  2. Observar o ambiente externo da empresa, como os clientes chegam a sua loja e se possuem alguma espécie de dificuldade.
  3. Anotar quantos clientes entram na empresa e quantos saem com alguma sacola de compra.
  4. Se seus clientes levam com frequência crianças e como elas se comportam da empresa e em que área ou momentos que geram irritação para os país
  5. Como está a acessibilidade para pessoas com deficiência visual e física
  6. Observar qual o caminho mais frequente que os clientes circulam na empresa e as áreas que ele menos circula.
  7. Anotar tudo que os clientes mais reclamam e gostam
  8. Anotar os itens que os clientes procuram e que sua loja não tem.
  9. E outras questões pertinentes a sua atividade

Consolide todas essas informações, pois eles são valiosas e significam um diagnóstico da sua empresa.

Comece a ler o relatório, reflita, pesquise sobre as melhores práticas do mercado e planeje suas melhorias. Caso o grau de complexidade seja grande para você, procure o atendimento da orientação empresarial do Sebrae para analisar as informações ou busque o programa SEBRAEtec para consultoria em layout e identidade visual.

Nunca deixe de renovar o ambiente da sua empresa!

Boa Sorte!!!

Comportamento do consumidor, Gestão empresarial, Merchandising

Merchandising versus sistemas de segurança


A insegurança e a violência estão imperando na sociedade e essa situação reflete no mundo dos negócios. Gostaria de falar especificamente do impacto na área de vendas de uma empresa.

Muitas tecnologias surgiram, tais como, adesivos magnéticos, caixa e bracadeiras, espelhos nos corredores, câmaras de monitoramento, profissionais de segurança circulando na loja e ou na frente do empreendimento, etc.

Outros criam artifícios que regridem toda a tendência de merchadising de uma loja, tais como, instalando grades, guarda-volumes, balcões e armários em formato de vitrines com cadeados, redução do espaço físico de entrada e saída dos clientes do empreendimento, etc. Isso acontece, principalmente na periferia ou em municípios vizinhos da capital.

         Diante desse contexto gostaria de fazer algumas reflexões:

  • Quais os artifícios de segurança que sua empresa tem utilizado?
  • Qual o acesso que os clientes tem aos produtos?
  • Qual o custo benefício entre um produto trancado no armário e de livre acesso para o cliente tocar e escolher livremente para comprar?
  • Qual a imagem que seu empreendimento tem passado para o cliente?
  • O cliente é um ser indesejado e supeito ou um ser desejado e acolhido na sua empresa?

Algumas empresas são processadas por preconceito e constragimento causados aos clientes, quando as parafernalhas de segurança são mau utilizadas, tais como, etiquetas magnéticas que não são desmagnetizadas e você sai da loja e bipa ou o segurança não trata com cordialidade, provocando contragimento aos clientes. contradicao

Vale pena usar o velho bom senso entre a tendências de arrumação de loja – marchandising, além de observar a legislação do direito do consumidor. Procure ter funcionários treinados para identificar e perceber tais situações de risco e os oriente como deveram proceder.

É um mundo sem volta até que se prove do contrário, mas você poderá minimizar contribuindo socialmente na comunidade do em torno da sua
empresa para reduzir a semente da marginalidade.