Eventos internacionais – Você já preparou sua estratégia de venda este mês?


Se você ainda não se preparou para esse evento, empreendedor, saiba que ainda dá tempo de fazer alguns ajustes. Procure preparar seu empreendimento e não deixe de vender, porque você não sabe inglês, alemão, espanhol, japonês ou qualquer outra língua dos visitantes que teremos nas nossas cidades.

O mundo todo foi convidado para vir ao Brasil assistir aos jogos da Copa do Mundo, ou acompanhá-los pela TV e telões espalhados na cidades do Brasil. Existe muitas propagandas nas ruas de todas grandes cidades do mundo, como por exemplo, no metrô, nos outdoors, na TV, nos vídeos dos aviões, e onde pode e possível fazer divulgação.

Publicidade da copa na Asia

Fonte: Conceição Moraes

 

 

Algumas dicas para minimizar possíveis problemas de comunicação:

exemplos de comunicação

Fonte: Conceição Moraes

 

1 – Monte um folheto com principais perguntas e respostas sobre o seu produto e/ou serviço, pelo menos em inglês e português. Dessa forma você ajudará o turista a perguntar e ‘aprender’ sobre o que deseja em português.

2 – Se você vai vender refeições, tenha boas fotografias sobre o que vai servir e/ou o nome em português, com a citação em inglês dos principais ingredientes. Ajuda a vender se você não tem um bom desempenho para explicar os pratos em outras línguas, além de gerar mais segurança na escolha.

3- Na maioria dos países europeus, as frutas são geralmente muito caras para eles mesmos, então, quando eles visitam países com a variedade de fruta que nós temos e com o preço justo, eles se sentem atraídos para consumir. Então, higienize bem as frutas, faça uma boa exposição, monte o kit lanche.

4- Tenha uma tabela de preço do seu produto, no cardápio ou na etiqueta do produto para que não se possa ter dúvida sobre o valor do produto. Fique atento para mostrar que já está incluso o imposto, isto é, que é o preço final. Em alguns países mostram na vitrine o preço do produto e quando você vai pagar é incluso o imposto, então, deixe claro que aqui no Brasil é diferente.

5-Trate com educação, mas cuidado com o ‘excesso’ de simpatia. Por exemplo, não toque na pessoa, no máximo, um aperto de mão, pois muitos países não têm a cultura de tocar no outro ou dar dois beijinhos, se não for uma pessoa seu circulo de amizade.

6- Se você não sabe pronunciar os números, nas diversas línguas dos visitantes que teremos, e nem entende o valor do que estão falando. Segue a dica:

 

Calculadora

Fonte: Conceição Moraes

6.1- Use uma calculadora grande para ajudar na visualização. Quando o turista lhe perguntar o preço (How much?), você poderá escrever na calculadora e a deixe disponível para o turista utilizá-la, porque muitos vão querer fazer a conversão para sua moeda para ter noção do valor que está pagando. Além de deixar claro o valor, o troco do pagamento em dinheiro, ou até mesmo no processo de negociação, quando solicitado desconto.

7- Entre no clima. Use as cores de sua bandeira e, dependendo da ocasião, dos times que vão jogar na sua cidade, para acolher as torcidas estrangeiras neste início do mundial de futebol. Cuidado para não usar os nomes registros pela Fifa, para não estragar as suas vendas com alguma multa. Para isso, leia o artigo a seguir: http://www.inpi.gov.br/images/stories/downloads/pdf/alto_renome_das_marcas_da_fifa.pdf

Não deixe passar a oportunidade de vender!

Reflita e use sua criatividade para que o turista se sinta bem, seguro e consciente do que está comprando ou utilizando, além de acolher com simpatia e respeito.

Procure ao máximo facilitar a comunicação e preservar o valor da honestidade.

Bons negócios de boa sorte!

Anúncios

O que é consumo colaborativo?


O consumo colaborativo trás uma oportunidade de negócio com baixo investimento e uma mentalidade de um consumo consciente para si e para quem usufruem desses negócios.

Este artigo dará o início de vários artigos para explorar o máximo sobre a temática.

O consumo colaborativo permite que as pessoas percebam a possibilidade de economizarem seus recursos pessoais, façam novos amigos e se tornem cidadãos ativos. As pessoas que adotam esse tipo de consume promovem um novo comportamento em detrimento do hiperconsumo.

O hiperconsumo promove a persuasão de se consumir muito a partir das situações de se poder comprar agora e pagar depois, da redução do ciclos de vida dos produtos, tornandos-os obsoletos e indesejáveis rapidamente, além de atender transmitir o desejo de consumir promovendo auto-satisfação e inclusão social.

Diante desse contexto muitas pessoas estão buscando dá sentido aos seus bens e propriedades que estão ociosos ou querem otimizá-los, gerando renda.

As propostas de negócios que promovem o consumo colaborativo são:

  • Sistemas de serviços de produtos.
  • Mercados de redistribuição.
  • Estilo de vida colaborativo.

Essa abordagem de negócio vem crescendo e ganhando maturidade, mas só funciona se quem pretende empreender e os potenciais consumidores comungarem dos meus princípios, tais como:

  • Ter senso crítico quanto ao consumo, aspectos socioambientais e econômicos.
  • Ter capacidade ociosa.
  • Acreditar no bem comum.
  • Capacidade de confiar nas pessoas.

No mundo todo tem possoas usufruindo desse resultado e propaganda uma verdadeira rede colaborativa, troca de recursos e renda.

Fonte: Botsman e Robers (2011)

Perfil da classe social: um caminho para uma oportunidade de negócio


Um dos meios de fazer a leitura das oportunidades de negócios é a leitura do tamanho de mercado correspondente a classe social.

Foi publicado na revista ISTOE de número 2210, uma reportagem que mostra o mapeamento do consumo das classes sociais.

O gráfico demonstra o peso da classe B e C no tamanho do mercado consumidor.  Para pessoas que pretendem atuar com a classe social B e C, deve-se pensar em negócios que valorizem seu poder de compra e facilite o processo da pagamento, que não ultrapassem mais de 30% da sua média salarial. Essas duas classes sociais demandam toda ordem de produtos e serviços. Sempre utilizando a lógica de comprar mais com menos seus itens utilitários e dos seus sonhos que venham representar seu gosto, prazer e estilo de vida.

Para classe C, apesar de ter demonstrado 7% sua participação no total do consumo, a abordagem de venda é outra! Ainda se tem muito a explorar. A concepção de negócios para base da pirâmide é na linha dos modelos de negócios do setor 2,5, conforme artigos já publicados.

A classe A também possui uma estratégia diferenciada, pois é considerado consumo de luxo. O peso simbólico e emocional nas suas compras foge da lógica de consumo da classe B e C. Os produtos precisam alto grau de qualidade envolvido com conveniência, luxo, conforto e status pois tudo isso contribuirá a transmitir a idéia do preço justo.

Estude a classe social que você pretende atuar, pois seu sucesso está em definir a estratégia certa para construir suas bases de relacionamentos com o seu cliente.

Oportunidade e tendências para desenvolvedores de produtos na web


Segundo @cseabra observa algumas áreas que faltam profissionais no mercado que possuam determinadas competencias ou empresas especializadas em atuarem nas seguintes áreas:

  • Editoração de ebooks via ePub3. Isso não significa o fim dos livros impressos pois sempre haverá mercado para ambos. Uma grande amostra disso é a Amazon. O ePub3 possibilita a inclusão de animações, músicas, filmes, tornando o livro interativo.
  • Desenvolvimento de sites com a linguagem html5.
  • Desenvolvimento de aplicativos (apps) para celulares(ios, android, outros) e para tablets(ios e android).
  • Jogos eletrônicos individuais e em rede)  que promova interação e que seja atrativo.
  • Mapas e georreferenciamento.
  • Projetos de gamificação.
  • Objetos educacionais digitais que inclua infográfico e applicativos interativos, simuladores, além de  jogos com a finalidade de desenvolvimento de aprendizagem. Precisa que funcionem em varias plataformas free e não free.
  • Aplicativos que audio, música, sonorização.

E outras oportunidades que venham attender as necessidades do mercado educacional, empresarial e social.

Você está explorando alguma oportunidade de negócio durante o Carnaval?


Para você, empreendedor, que já está aproveitando as oportunidades de Carnaval, seguem algumas dicas que poderão ajudar o seu negócio:

  •  Calcule os custos, para que você tenha um preço que gere ganhos efetivos;
  • Elabore suas metas de vendas;
  • Monitore seus resultados: volume de vendas, produtos e serviços mais procurados e o lucro gerado;
  •  Planeje como você vai demonstrar e apresentar os produtos e serviços durante o processo de venda; Saiba se relacionar com o cliente;
  • Tenha postura profissional; Seja educado e tenha bom senso ao dialogar com os clientes e quando emitir sua opinião; Conheça bem o produto e/ou serviço que está comercializando;
  • Tenha abertura para escutar sugestões e demandas dos clientes;
  • Fique atento com sua aparência: cabelos, vestuário, higiene pessoal – Lembre-se que você contribui com a credibilidade dos negócios;
  • Tenha cartão de visita, para prospectar novas oportunidades de negócios, além da fidelização de clientes;

A forma com que você venha concretizar sua oportunidade de negócio será fundamental para o sucesso ou fracasso do empreendimento.

Sucesso!

Saiba estruturar uma oportunidade de negócio


Muitas vezes temos uma idéia para abrir um negócio e não sabemos por onde começar. Pensando nessa situação, comece a estrutrar sua idéia a partir das dicas deste artigo http://blogs.diariodepernambuco.com.br/empreendedor/?p=250

Copa 2014: oportunidades de negócios para pequena empresa


Houve o sorteio das eliminatórias para Copa 2014. Você tem acompanhado todo processo?


Fiquem atentos pois existe oportunidades de negócios para todos, inclusive para empreendedor individual e pequenas empresas. Leia mais no artigo http://blogs.diariodepernambuco.com.br/empreendedor/?p=185

Lan house: ainda é uma oportunidade de negócio?


O segmento de lan house vive atualmente em um processo de transição.  Seu mix de serviço, seu conceito como negócio e as oportunidades a serem exploradas estão modificando. Sem deixar de citar quanto a imagem do segmento, que deixa de ser visto como ambiente de marginalização para um ambiente de promoção da cidadania digital.

Alguns empresários desse segmento estão preocupados com os clientes que deixam de freqüentar sua lan house porque compraram um computador ou fizeram alguma assinatura de banda larga para acessar a internet em casa. Apesar de ser pertinente sua preocupação, a preocupação e seu foco deverá estar voltado para continuar atendendo esse clientes com outros serviços e buscando captar a parcela que ainda não acessa a internet.

Pesquisa já realizadas, mostra que 34,5% da população acessam a internet. Com esse  dado que você precisa estar focado e fazer a seguinte pergunta: Onde estão os 65,5% da população que não acessam a internet? Aí está o grande filão de mercado! Entender e captar esses potenciais clientes para suas lan houses.

Reflita mais lendo sobre apresentação a seguir

Um novo olhar para as lan houses…

O novo olhar para fontes de oportunidades de negócios


O não consumo ou falta de produtos adaptados para as pessoas que não estão consumindo? Eis a questão…

Os questionamentos sobre oportunidade de negócios já avançaram para perspectiva de identificar mercado: pessoas, locais, regiões e países que não estão consumindo.

Internacionalmente, tem-se voltado o olhar para os países que pertencem ao grupo BRIC – Brasil, Rússia, Índia e China. Esse olhar vai além dos potenciais clientes de classe A e B. Agora, segue para áreas consideradas zona de pobreza ou para as classes sociais C, D e E.  Ao buscar atender essas últimas classes sociais citadas, as áreas de marketing e publicidade estão tendo que rever suas estratégias de atuação e até “retroceder” em ferramentas utilizadas.

O marketing visceral é o que mais tem efetividade: experimentar e sentir os produtos. E gerar inclusão dos produtos em eventos culturais e religiosos na localidade desse público, gerar adaptações e demonstrar possibilidade de consumo diante de suas realidades.

Pode-se observar essa situação, como por exemplo, no Brasil. Sem entrar em questionamentos de políticas sustentáveis de desenvolvimento, de programas como o Bolsa-família, a inclusão de uma parcela da população no mundo do consumo e que as empresas não sabem ainda lidar, tais como: preferência, ticket médio, análise de crédito, propagandas mais próximas a essas pessoas, etc. Até algumas emissoras de televisão tentaram fazer vários programas com periferias das grandes cidades para conhecer e entender a dinâmica desse novo mercado, com insights psicográficos.

A vantagem competitiva das empresas está no conhecimento, compreensão, empatia, antecipando e servindo melhor a seus clientes. E ‘percepção humana’ é o que irá conduzir as marcas globais do futuro. Nuances culturais, certamente, prevalecerão. Mas, a compulsão das novas gerações em ser um cidadão global poderá conduzir o pensamento criativo de todos a algo em comum com os demais países. Diante disso, podemos refletir que o mundo é plano. E assim é o marketing.

Identificar oportunidade de negócios


Muitas pessoas ficam a procura de uma oportunidade de negócio que lhe transforme em um empresário de sucesso de um dia para o outro. Na vida existe exceção, e essa é uma delas. Todo sucesso do empresário advém de muito esforço, perseverança e a capacidade de identificar a oportunidade e o momento certo de explorá-la.

 Esta capacidade deve ser advinda do próprio empreendedor pelo seguinte motivo:

  • Com o dinamismo do mercado, o empreendedor precisa ter habilidade e capacidade de identificar oportunidade para inovar o empreendimento, de captar parcerias, de realizar promoções, de lançar novos produtos, etc.
  • A oportunidade de negócio precisa estar alinhada com a capacidade técnica e gerencial do empreendedor
  • O empreendedor precisa se identificar com a oportunidade de negócio, quanto à rotina de trabalho, horários de funcionamentos, conhecimento específico sobre o demanda do empreendimento, etc.

 Toda oportunidade de negócio começa através de insight de alguma idéia que poderá ser uma potencial oportunidade. O insight poderá ser por meio dos seus próprios conhecimentos, experiências, noticiários, conversas nos ambientes social ou familiar, viagens, eventos e outras situações vivenciadas que poderão contribuir para lhe despertar suas idéias. É importante, sempre, fazer a seguinte pergunta interiormente: que oportunidade de negócio eu posso ter com essa… (situação, contexto, notícia, etc)? 

 

A idéia negocial só passa para ser oportunidade de negócio, quando você investe tempo e energia para detalhá-la, além, é claro, quando tem pessoas que queiram pagar para usufruir sua idéia (produto ou serviço irá oferecer).

 

Definida a oportunidade, é importante validá-la quanto à sua permanência no mercado, e o momento certo de explorá-la.

Inicialmente, você precisa avaliar se a oportunidade segue tendências de mercado, se haverá cliente “hoje” e no futuro, além de analisar o cenário econômico. Caso essa análise seja favorável, haverá possibilidade de sucesso.  Logo, comece a construir um plano de negócio!